Verás aqui...

Ah... tanto mar. Tanto amor.
Sou um pedaço de vida que desperta a cada instante. Amo!
Teve um dia em que o mar levou um corpo, cheio de pensar, de achar. Neste mesmo dia o corpo escoriado nadou, sentiu, amou no mar. Viveu em mar. No corpo, agora Maria. Cheia de sentir. Muito que viver, tanto que amar. Ainda sim, cheia de pensar. Mas quando escreve, não pensa, transmite.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Do ano passado, revisitados entre os docs do arquivo...

Toque violeta
(18/04/07)

Ao mestre o carinho, com carinho,
Mestre, assim chamado, não por ser maior
(ainda que alguém de mim teime em se fazer menor).
Mestre, assim dotado do ofício em nos fazer irmãos .

Com um irmão, que é pai, aprendi
que a vida compete, e só se é alguém em poder vencê-la.
Vencer a vida?

Com um irmão, que já foi amante, aprendi
que a beleza da vida é aquela da gente, mas que não é nossa, o outro é que a põe
Ou não põe.

Ainda com outro, mestre dos tantos (ou por tantos) livros consumidos,
insiste em me ter apreendida
Conta que na vida, beleza é duro de haver. No mundo há os que sofrem
Pois há os que os fazem sofrer.

Ao mestre, já posto em seu lugar em verso alto,
o Amor que me ajudou a soltar
de um corpo com travas,
de uns olhos com vícios,
de palavras já prontas em boca que dela saiam sem sentir sair
toca agora a ti.
Transcendendo o medo, O fiz crescer em ar brilhante violeta.
Na minha esfera incluí a sua.

Amo-te,
num tempo que não é, num espaço que não há
mas especialmente aqui, essencialmente agora.

Apenas faço, em palavras e versos, codificar o Todo (ou o Nada)
que sabemos ser.

Do pouco que se fez em terra
(07/05/07)

Muito se fez com pouco de cada
Pouco pode ter sido, para cada, muito
Mas muito pode ser apenas pequena parte
do muito maior que de cada temos

Muito se faz com pouco de cada
Pouco é o que em comunhão se faz o todo
Façamos o pouco em muitos,
que em pouco viveremos o muito que de cada somos


Sem Título
(julho de 2007)

Ô seu moço, do mar e das ondas,
Quão dura a dureza que te faz tua!
Não fez, quando disse que ia,
Nem responde, enquanto que te peço por só um dia.
Ao menos um dia.
Ou será caso de descaso?
Como de simples que se passa o vento
Deixou no tempo o encanto de um acaso?

3 comentários:

ram horizonte disse...

Nossa Claudia agora eu ví que não era que você estivesse inspirada naquele outro post, você carrega a inspiração consigo! Lindos os textos e as poesias.
Bjs

deaconti disse...

Filhota, continuo sua fã número 01, como você sabe.

te amo,
mama

Carol disse...

Aqui está ele!
Hum, tsc tsc
Rendeu inspiração
Rendeu boas vivências
Rendeu novos passos para uma nova direção
Se pareceu tirar a vida...na verdade, a coloriu de outra cor mais vívida
Beijos!